O fado e a internacionalização

Data: 19/05/2018 Horário: 13h30 – 15h00 Sala: Eletro Acustica

Desde que, em Novembro de 2011, o Fado foi declarado pela UNESCO como património cultural imaterial do mundo, a sua presença nos cenários mundiais tornou-se ainda mais significativa.

Mas quais eram exatamente os antecedentes que levariam, no espaço de um século, a uma canção que nasceu num ambiente boêmio e “malfadado” de um pequeno bairro de Lisboa, a viajar pelo mundo e tornar-se um dos principais elementos da identidade de um país?

E em que momento o fado foi para o estrangeiro?

Quais foram seus principais embaixadores num momento em que não havia internet e sua divulgação foi ainda mais complicada

Antes de Amália Rodrigues, quem foram os pioneiros da internacionalização do Fado e quais são os seus destinos preferenciais?

É a estas questões que esta conferência tentará dar respostas, traçando o caminho que o Fado tem usado desde os seus primeiros acordes, que foram ouvidos nas tabernas de Lisboa, até chegar às principais salas de concerto de todo o mundo.